Câncer de mama – Depois do câncer de pele, o câncer de mama é o mais comum entre as mulheres no Brasil e no mundo, respondendo por 28% dos novos casos a cada ano

Comemorado em todo o mundo, o Outubro Rosa é um mês dedicado a alertar sobre a prevenção do câncer de mama, muito frequente e é o tipos de câncer que mais mata mulheres em todo o mundo.

“Depois do câncer de pele, o câncer de mama é o mais comum entre as mulheres no Brasil e no mundo, respondendo por 28% dos novos casos a cada ano. Raro antes dos 35 anos, sua incidência cresce ano a ano, principalmente depois dos 50 anos”, disse a mastologista, Janine Machado

O Inca indica 59,7 mil casos por ano e 6,91 mortes para cada 100 mil habitantes. Diferentemente do que muitos imaginam, o câncer de mama também atinge homens, porém a estatística é bem diferente, correspondente a 1% do total de casos.

“Existem vários tipos de câncer de mama. Alguns evoluem de forma rápida, outros, não. A maioria dos casos tem bom prognóstico, principalmente se descoberto no início”, ressaltou a médica oncologista, Kítia Perciano.

De acordo com Kítia, as opções de tratamento são definidas de acordo com cada caso e exige o envolvimento de uma equipe multidisciplinar. Essa equipe deverá ser formada por especialistas, como cirurgião, oncologista e radioterapeuta. Mas, muitos outros poderão estar envolvidos durante o tratamento, como, enfermeiros, nutricionistas, assistentes sociais e psicólogos.

“É importante que todas as opções de tratamento sejam discutidas com o médico, bem como seus possíveis efeitos colaterais para ajudar a tomar a decisão que melhor se adapte às necessidades de cada paciente”, completou.

A Sociedade Brasileira de Mastologia indica a mamografia a partir dos 40 anos, e que o exame seja realizado anualmente. A ginecologista e obstetra, Lorena Baldototto explica que o exame da mama também é realizado no consultório ginecológico anualmente, e que as mulheres também podem faze-lo em casa, conforme orientações da ginecologista.

“Se notado algo diferente do comum como um caroço ou inchaço, é indicado marcar a consulta com o ginecologista ou mastologista para que o caso seja avaliado. O médico solicita exames de mamografia ou ultrasson das mamas. Eu particularmente peço ultrasson para mulheres mais jovens, que tem a mama mais densa”, disse a especialista.

Como prevenir o câncer de mama

A oncologista Kítia Perciano explica que manter hábitos saudáveis é a melhor forma de prevenir o câncer de mama, e isso inclui uma dieta pobre em alimentos gordurosos, objetivando evitar ganho ponderal, mesmo que pequeno; atividade física regular, pouca ingestão de bebidas alcoólicas e nenhum cigarro. A atividade física e o aleitamento são considerados os principais fatores de proteção contra a doença.

A detecção do câncer de mama nas etapas iniciais aumenta as chances de cura. O autoexame e o exame clínico das mamas feito por um profissional treinado são os procedimentos recomendados para a detecção precoce da doença.

O ganho progressivo de peso, mesmo que lento, durante o passar dos anos estimula a multiplicação celular e o risco de ter câncer. A menopausa, ao contrario do que pensam muitas mulheres não leva ao aumento ponderal. O que acontece é que a maioria das mulheres nessa idade já vem acumulando peso progressivo e lento com o passar dos anos.

Reconstrução da mama após o câncer da mama

O cirurgião plástico Adriano Batistuta relata que a reconstrução da mama é de suma importância para que a paciente recupere a auto-estima. “Auxilia no tratamento do câncer e restabelecimento do convívio social. Em pacientes submetidas à mastectomia, o objetivo maior da cirurgia reconstrutora é a reabilitação estética, retirando da paciente o estigma do câncer e da mutilação. Retornando à condição física pré-câncer”, explicou o cirurgião.

“Grande parte das cirurgias reconstrutoras são realizadas simultaneamente à retirada do tumor cancerígeno. Dessa forma, diminui-se o tempo de internação e a reabilitação social é beneficiada. Quando a reconstrução é imediata, a paciente não precisa conviver com a mutilação parcial ou total do seio, a mastectomia. A experiência se torna menos traumática”, disse o médico.

Alimentação anticâncer

Nos últimos anos, diversas pesquisas mostraram que uma alimentação equilibrada influencia na qualidade de vida. Alguns desses estudos focam, sobretudo, nos benefícios de determinados alimentos para a prevenção contra o câncer, uma das doenças que mais matam no Brasil e no mundo.

Estima-se, por exemplo, que pessoas com 13 quilos a mais passam a ter mais predisposição ao câncer, principalmente o de mama e de útero. Isso porque o excesso de tecido adiposo pode alterar os níveis de hormônios sexuais, desencadeando, portanto, o surgimento das doenças.

“Alimentos como o tomate, alho, couve, chá verde, alimentos ricos em vitamina C e uvas são alimentos considerados anticâncer por terem propriedades que protegem as células de sofrerem oxidação, outros por auxiliarem na morte das células cancerígenas. Do mesmo jeito que contamos com alimentos que auxiliam na proteção ao câncer, existem os alimentos que devemos manter distância, pois são os maiores alimentos das células cancerígenas, entre eles estão o açúcar, as farinhas brancas, os embutidos e industrializados”, disse o médico, Wesley Schunk.

Informações: Folha Vitória / https://novo.folhavitoria.com.br/saude/noticia/10/2018/outubro-rosa-especialistas-alertam-sobre-prevencao-reconstrucao-da-mama-e-alimentacao-anticancer